Artigos e Entrevistas

Luis Miguel Modino entrevista Dom Gilberto Pastana, da diocese de Crato-CE

Dom Gilberto Pastana de Oliveira: “O Padre Cícero é um santo, um padre que soube na sua época acolher as necessidades do povo”

Luis Miguel Modino entrevista Dom Gilberto Pastana,da diocese de Crato, no Ceará. A entrevista aborda a religiosidade entorno do Pe. Cícero, no qual é reconhecido pelo povo.

Dom Gilberto Pastana de Oliveira é bispo da diocese do Crato, em cujo território fica Juazeiro do Norte, a terra do Padre Cícero, exemplo de religiosidade popular sustentada pelo povo. Não podemos esquecer que foi o povo quem perpetuou a memória de alguém que morreu enfrentado com a própria Igreja católica, que durante longo tempo tentou apagar sua lembrança.

Mas a fé do povo nordestino em seu Padim sempre soube superar todas as dificuldades e empecilhos, até o ponto de poder dizer que ele é o grande santo do povo nordestino, o advogado dos mais pobres, dos retirantes que sempre foram atrás daquele de quem esperavam ajuda e conselho para continuar sua vida.

Em 2015 a Igreja católica fez o que o bispo do Crato chama de “reconciliação histórica” com alguém que o próprio bispo define como “um santo, um padre que soube na sua época acolher as necessidades do povo e dar respostas concretas e objetivas a essas necessidades”.

Dom Gilberto destaca a importância das romarias na vida cotidiana da sua diocese e como aos poucos o clero, tradicionalmente enfrentado com o Padre Cícero, acolhe a religiosidade popular em torno dele. O bispo destaca a espiritualidade dos romeiros e como é necessário aprender com eles, pois “o romeiro tem muito a ensinar, a humildade, a simplicidade, a forma orante”.  Ao mesmo tempo, destaca na figura do Padre Cícero alguém que “nos ajuda a também buscar caminhos alternativos hoje”.

A figura do Padre Cícero cobra especial importância no momento histórico que o Brasil está vivendo, fazendo ver a necessidade de uma participação política da Igreja católica mais ativa e efetiva, que possa defender os direitos dos mais pobres, uma das grandes preocupações do “Santo de Juazeiro do Norte”. Hoje se repetem situações presentes no Nordeste brasileiro no final do século XIX e inicio do século XX, que mostram que os direitos dos mais pobres não estão sendo respeitados.

Diante dessa realidade se faz necessário uma toma de posição de parte da própria Igreja católica. Nesse sentido, o bispo do Crato afirma que “o episcopado brasileiro está muito preocupado com o momento que nós estamos vivendo”, e que na próxima Assembléia Geral da Conferência Episcopal dos Bispos do Brasil (CNBB), o episcopado “se pronunciará em relação a esse momento histórico vivido no Brasil”.

O que significa a figura do Padre Cícero em Juazeiro do Norte e também para a diocese do Crato?

A figura do Padre Cícero para Juazeiro do Norte é a figura de um santo, um padre que soube na sua época acolher as necessidades do povo e dar respostas concretas e objetivas a essas necessidades, e isso criou por parte do povo essa religiosidade, até o ponto de que o chamaram do meu padim. O padim é aquele que é o segundo pai, segundo pai que cuida de toda essa nação romeira.

A diocese do Crato, ela acaba colocando no seu plano de pastoral, dentro do objetivo, ser uma diocese não apenas missionária, mas romeira, dada essa realidade objetiva que acontece todos os anos em direção a Juazeiro por causa da figura do Padre Cícero.

Foi em 2015 quando o Padre Cícero foi reabilitado na comunhão da Igreja. Poderíamos dizer que esse é um primeiro passo para uma futura canonização?

Não foi uma reabilitação na verdade, o que houve foi uma carta do Papa Francisco assinada pelo cardeal Parolin, onde se fala de uma reconciliação histórica. Então é claro que essa carta foi muito positiva para que, sobretudo a pastoral romeira, onde se valorizasse mais as virtudes do Padre Cícero, fosse acentuada na evangelização e também nas romarias. Mas o processo continua em Roma e está sendo estudado na Congregação da Doutrina da Fé.

Juazeiro do Norte é um dos lugares romeiros por excelência do Brasil, e poderíamos dizer também do mundo. O que significa essa religiosidade popular em torno da figura de alguém que ainda não foi reconhecido como santo pela Igreja católica?

Significa os ensinamentos do Padre Cícero. Ele está muito presente na vida da família, é pai que transmite para o filho e assim sucessivamente. São ensinamentos muito simples, mais que tocam na vida do romeiro e da romeira.

Então a tendência é cada vez mais essas romarias crescerem, porque atingem todo o Nordeste. Até o próprio estado do Ceara aumenta as romarias, uma vez que historicamente, no passado, ele não foi muito aceito no estado do Ceara. Mas hoje a gente percebe a participação muito grande de pessoas das dioceses do Ceara nas romarias.

Inclusive dentro do próprio clero da diocese do Crato teve historicamente certa rejeição. Como hoje é vista a figura do Padre Cícero entre o clero da diocese?

Está sendo superado. Agora mesmo nós fizemos pela primeira vez um encontro de todo o clero estudando essa carta do Cardeal Parolin e o que a gente percebe é crescimento, também por parte do clero, não só da aceitação, mas do acolhimento dessa religiosidade popular, porque isso vem influenciando inclusive na vida dos diocesanos. O romeiro tem muito a ensinar, a humildade, a simplicidade, a forma orante do romeiro tem muito a ensinar a todos nós.

Poderíamos dizer que toda essa religiosidade popular em torno da figura do Padre Cícero, dado que os romeiros geralmente é gente pobre, seria um exemplo daquilo que o Papa Francisco chama Igreja pobre e para os pobres?

O Padre Cícero foi sempre de coração aberto a essa realidade da pobreza, especial dos romeiros, e como ele era muito devoto de Nossa Senhora das Dores, então ele fez sempre essa ligação dos romeiros com Nossa Senhora das Dores. Por isso, quando os romeiros vão a Juazeiro, vão ao Padim Cícero mas vão, sobretudo a Nossa Senhora das Dores e a Jesus Cristo.

Também o Padre Cícero foi alguém muito preocupado com a vida do povo, sempre tentava dar conselho, sempre tentou ajudar. O que isso supõe hoje para a diocese, para o clero, para o povo católico da diocese do Crato, de Juazeiro?

Além dos conselhos, o Padre Cícero tinha experiências de comunidades, como é o caso, por exemplo, do beato Zé Lourenço, que foi mandado pelo padre Cícero para criar comunidades. O Padre Cícero acolhia, dava terra para os romeiros trabalharem, e certamente foi por esse trabalho que eles tinham uma vida muito mais digna.

Isso nos ajuda a também buscar caminhos alternativos hoje através da agricultura popular, através da economia alternativa para que os pobres organizados venham a melhorar sua vida.

O compromisso sociopolítico que também esteve presente na vida do Padre Cícero, o que nos diz hoje como cristãos diante da situação que o Brasil está passando?

É sempre um apelo a todos nós, a toda a Igreja favorecer, promover, sobretudo através das pastorais sociais, através da Caritas, a inclusão dessas pessoas, até o ponto de que eles se tornem sujeitos e donos da sua vida e da sua existência.

De fato, o episcopado brasileiro tem emitido notas ultimamente nessa direção, promovendo a justiça para com os pobres, defendendo aqueles que são prejudicados com as reformas que o governo está promovendo aqui no Brasil. Como bispo sente essa preocupação no episcopado ou é uma iniciativa da Presidência da CNBB, da Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil?

Não, não, não. A CNBB é uma expressão do episcopado brasileiro. Qualquer mensagem, qualquer nota que a CNBB lança, sobretudo nas nossas assembléias, ela tem o respaldo do episcopado. De modo que a Presidência, ela representa aquilo que é o sentimento, aquilo que é o desejo de todo o episcopado brasileiro.

O episcopado brasileiro está muito preocupado com o momento que nós estamos vivendo e certamente agora na assembléia se pronunciará em relação a esse momento histórico vivido no Brasil.

 

Tags
Mostre mais

Artigos relacionados