Artigos e EntrevistasCEBs e Ecologia

“O Sínodo nos ajuda a voltar novamente ao essencial da missão”. Entrevista com Charly Azcona, missionário na Amazônia equatoriana

Por Luis Miguel Modino

A missão muda você, ensina você a ver a vida de outra maneira, a valorizar os outros e ver que você não tem muitas verdades. Pelo menos, é isso que Capuchinho Charly Azcona sente. Ele é missionário no Equador desde 1985, onde se sente muito feliz. Nascido na Espanha, em sua terra natal viveu toda a forte religiosidade local e depois, durante sua juventude, toda a mudança política e os anos de transição. O missionário reconhece que “a questão da injustiça, corrupção e tudo relacionado aos direitos humanos sempre atraiu minha atenção”, algo que marcou seu trabalho como missionário. Junto com isso, ao nível da Igreja, esteve envolvido em toda a renovação da vida religiosa, participando de algumas fraternidades de inserção, sempre com a esperança de viver o Evangelho.

Ultimamente tem trabalhado com os indígenas, primeiro com Kichwas e depois com os Waorani, que são de recente contato, há cerca de 30 anos. Nos últimos dias, os waorani tem sido notícia, eles ganharam uma ação judicial para o governo equatoriano, que foi forçado a respeitar suas terras, ameaçada pela poluição por hidrocarbonetos, uma luta que o padre Charly tomou como sua própria, lutando para a erradicação dos “mecheros” do petróleo e toda a questão da mineração.

O importante é acompanhar, se encarnar, que o próprio povo se torne protagonista, insiste o capuchinho, citando seu irmão de congregação, Dom Alejandro Labaka, alguém que se converteu com os waorani, afirmando que “temos que ficar nu para que todos possam descobrir com eles as sementes da Palavra”.

O que você aprendeu nesses anos no Equador?

No Equador eu aprendi, primeiro, porque a gente chega com todo o entusiasmo para mudar o mundo, eu aprendi que nada de mudar o mundo, eu aprendi um pouco a mudar a mim mesmo e ver que é a gente que tem que mudar, eu aprendi a ser mais tolerante, e os povos indígenas me mudaram. Eu me lembro que no começo, recém que cheguei, um indígena na Serra me disse, irmão, Cristo é seguido lentamente.

São todas aquelas coisas que ajudam alguém a valorizar os outros, a ver que alguém não tem muitas verdades, mas que há muitas pessoas que ensinam o caminho do Evangelho. Eu aprendi que Deus é o dono e a gente só é um simples colaborador. Além disso, depois de muitos golpes, aprende-se que a gente tem que viver o que a vida nos faz viver.

Você mencionou a defesa da Amazônia e um dos temas do Sínodo para a Amazônia é novos caminhos para uma ecologia integral, quais são os problemas e desafios que a Amazônia equatoriana apresenta ao Sínodo, à Igreja e à sociedade?

O primeiro desafio desta realidade de exploração tão forte, de pilhagem, de poluição, de não respeitar a consulta previa, de não cumprir o que a Constituição diz, que eles têm que respeitar um ambiente saudável, a saúde das pessoas, tudo aquilo. Há uma questão, que é que os lucros estão acima das pessoas, das comunidades, e isso é muito sério. O Papa nos convidou para lutar por todas essas pessoas e lutar também pelos povos isolados, que ele diz serem os vulneráveis ​​entre os vulneráveis.

Há uma questão que é muito forte, temos níveis muito elevados de câncer em locais onde tem estado o petróleo, onde os “mecheros” estão, muitas pessoas estão morrendo com câncer, e que é uma questão que permanece. Quando tudo for explorado, a única coisa que restará são doenças, colheitas contaminadas e uma terra que vai ficar devastada. Outra questão é as famílias das comunidades, toda a questão cultural, nos últimos anos tem havido um desenvolvimento desde fora das comunidades que dizem que este desenvolvimento não lhes interessa.

Trata-se de pensar em um desenvolvimento das mesmas comunidades, onde os povos indígenas são os sujeitos, os atores. Como Igreja, também temos um desafio que é o da encarnação, da aprendizagem das línguas, do acompanhamento, de estar ali, um pouquinho, em todos esses problemas.

Como podemos entrar nas cabeças dos missionários e do clero local, ajudar a entender aquelas atitudes que, infelizmente, ainda não estão sendo amplamente aceitas?

Lembro-me que os primeiros missionários, a primeira coisa foi aprender a língua, recuperar todos os mitos, todos os símbolos culturais, até escrever gramáticas. Acho que temos uma tradição muito grande de que todo esse caminho foi feito. Talvez nos últimos anos não tenhamos chegado com todo esse espírito de aprender línguas e acredito que temos uma tradição muito grande de libertação, luta pela vida e pela dignidade, e também por tudo que é cultural. Acredito que as raízes estão lá, embora tenhamos que dar continuidade a todas as celebrações, ao tema cultural que tem sido tão forte.

Talvez os missionários que o Papa nos pede, porque temos a tradição, temos muitos exemplos de missionários que entregaram a vida toda à defesa da vida, de todas as questões culturais e a encarnação do Evangelho nas culturas. Neste momento, é momento para rever e enfatizar o que já estava lá.

Um desses exemplos, de alguém que realmente se encarnou foi Monsenhor Labaka, que veio dar sua vida pela Amazônia. O que ele representa para você como capuchinho e como alguém que continua sua missão na Amazônia equatoriana?

Para mim, ele representa uma pessoa que foi fascinado pelo povo waorani, e ele realmente teve essa conversão, porque ele, antes do concílio, tinha uma mentalidade talvez de levar o Evangelho, e ele diz que os waorani lhe renovaram em sua vocação missionária, dizendo que nós despir de tudo para descobrir com eles as sementes do Verbo, o Cristo inédito que estava com eles, que era muito importante ouvi-los, respeitá-los e realmente amá-los como eles são, porque eles tinham o Antigo Testamento que ia lhes levar até Cristo.

Mais do que levar a Bíblia, mais do que levar o Evangelho, ele sempre dizia que precisávamos ir nu para descobrir com eles o Evangelho, Jesus Cristo. Então toda a entrega que ele tinha, o caminho da missão, de dar a sua vida, é um exemplo e um legado de um espírito missionário que para mim é sempre um questionamento. Eu, quando atravesso o rio Napo e vou entrar nas comunidades, lembro o Alejandro, ele teve a coragem de se despir de toda a sua cultura, de se despir fisicamente, e se vestir ao modo awá, e se encarnar naquele povo, e isso sempre é um protótipo que questiona nossas vidas e nos diz um pouco sobre como deve ser nossa abordagem a esses povos e como deve ser nossa postura.

Eu acho que essa parte de humildade, de se despir, de deixar grande parte da nossa cultura e ir desta maneira humilde, para aprender, para compartilhar com eles, amá-los como eles são e, em seguida, descobrir esse Cristo inédito, é um tesouro muito grande. Às vezes nos custa, embora tenhamos lido, mas você sempre tem que estar constantemente de volta ao que é essencial.

Escutar, estar disposto a aprender, é uma atitude que o Papa Francisco está insistindo, especialmente em vista do Sínodo para a Amazônia. Esse processo está realmente sendo realizado na base, nas comunidades, no meio dos povos indígenas?

Esse é sempre um desafio que temos. Penso que há missionários que fizeram isso, que continuam a fazê-lo, e outros, toda esta parte do Sínodo está nos colocando em uma situação onde o espírito está se manifestando para nós. Além da fraqueza que podemos ter, há uma oferta do Espírito, que começou um processo, que já estava presente, mas talvez estava um pouco dormido, um pouco esquecido, e eu acho que esse processo é algo muito grande que o Espírito está nos colocando em movimento, e após este Sínodo tem começado um processo.

Para mim, não é tanto o Sínodo, mas o que está gerando, que já começou com todas as assembleias pré-sinodais em todos os vicariatos. Acredito que esta implementação, essa volta para os fundamentos da missão, que é algo muito importante. Creio que temos muitos missionários que são um exemplo, são como uma luz, e devemos ir por aí. Temos que continuar neste processo que o Papa nos está indicando, que muitos missionários já viveram, deixaram-nos esse legado. Eles vieram para estas terras, se apaixonaram pelo povo e deram suas vidas por essas pessoas. Esse exemplo, para nós, está vivo e é algo que também temos que aprender.

Qual é a mensagem que a Amazônia e seus povos nos comunicam?

Eu gostaria de compartilhar esse Deus da Amazônia, que realmente, além de toda essa corrupção, contaminação, pilhagem, todos esses problemas que temos, existe um Deus que vive na Amazônia, nos povos e que é uma força muito grande. Creio que esse Deus é quem nos ajudará a construir essa família entre todos os povos e a respeitar a Amazônia, as culturas. Este Deus está vivo, nos sentimos muito vivos nesta Amazônia e é Ele que vai dar alegria e felicidade a tantas pessoas, e esperamos que, daqui, possa se aportar ao mundo uma mudança no modo de vida, do sistema econômico, e começar a construir este Reino na fraternidade de todos os povos.

Tags
Mostre mais

Artigos relacionados