NotíciaSínodo para a Amazônia

Uma igreja que vive com a mochila nas costas

A itinerância é uma realidade presente na Igreja da Amazônia, mas que o Sínodo para a Amazônia, segundo o Instrumento de Trabalho, quer apoiar entre a vida religiosa, estar “junto aos mais pobres e excluídos”, para fazer realidade uma “incidência política para transformar a realidade”. Em toda a região existem várias equipes itinerantes, uma delas a dos missionários monfortianos, que faz sua missão na Amazônia equatoriana há onze anos.

Dessa equipe faz parte o padre Francesco Martinelli e a missionária leiga Maritza Flores, ele italiano e ela peruana, que participa da coordenação compartilhada do Eixo Fronteiras da Rede Eclesial Pan-Amazônica – REPAM e agradece aos missionários Monfortianos “acolher a presença feminina e leiga”, fazendo vida em equipe, com responsabilidades compartilhadas, algo que não foi fácil a princípio, mas que está valendo a pena. Não somos comunidade, diz Maritza, “mas vivemos uma vida compartilhada”, na casa, na oração e na pastoral, “uma experiência muito gratificante e enriquecedora”.

A princípio, eles não tinham sede, eram acolhidos nas paróquias que os convidavam para a missão. “Nossa sede era a mochila que tínhamos, era tudo o que tínhamos”, diz Francesco Martinelli, querendo ser um ponto visível nas comunidades que ninguém visita, principalmente no rio Putumayo, vítimas de guerrilha, violência militar e estrutural, dos paramilitares e dos cocaleros. O objetivo era estar presente nas comunidades, sendo vistos como algo esquisito, que pessoas de fora gostariam de estar lá onde a batata quente queima.

Como o religioso monfortiano reconhece, “todas essas equipes não são uma história que inventamos”. No Equador, Dom Leónidas Proaño promoveu bastante a itinerância em sua diocese de Riobamba, onde tinha outra equipe itinerante dos monfortianos. O importante é a presença, estar com os indígenas, comer, dormir com eles.

Ao falar sobre o Instrumento de Trabalho do Sínodo, onde é solicitada uma pastoral de presença e não apenas uma visita, isso os leva a questionar, porque “isso dá uma guinada à itinerância, que é se manter em moviimento”, diz Maritza, porque eles sempre quiseram “apoiar os padres das paróquias, que são instituições mais estáveis”. A leiga peruana diz que o que está sendo considerado agora é “visitar e permanecer como mais fixo, um tempo mais estável”.

Nas equipes itinerantes, uma atitude importante é escutar, algo que nos leva a descobrir, segundo Martinelli, “a confiança que as pessoas têm em nós”, porque no início, nessas áreas em que ninguém quer entrar, há desconfiança, o povo vê “o estrangeiro como suspeito, um informante”. Portanto, “estar entre esses povos, entrar e ser aceito como parte de uma caminhada, me parece a coisa mais importante”, destaca o monfortiano, algo que foi alcançado ao longo do tempo e que não pode ser perdido.

No começo, quando “a mochila era nossa casa, o importante era visitar a comunidade por comunidade”, diz Francesco. Mais tarde, porém, em meio a um forte conflito eclesial, instalaram-se em Sucumbíos, a fim de ajudar no tema de documentos e dos territórios. Em Sucumbíos, a organização das mulheres é muito forte, segundo Maritza, que a considera “a filha adulta da Igreja”, desde que nasceu nas comunidades cristãs e, pouco a pouco, foi fortalecida. De seu trabalho no Escritório de Direitos Humanos, Maritza estabeleceu um vínculo que lhe deu a oportunidade de conhecer melhor esse campo.

Isso significa que, “quando há situações de risco, elas nos permitem ser uma ponte”, de acordo com a leiga, que agora faz parte do Conselho de defensores de direitos humanos e da natureza da Ouvidoria do Equador, uma instância da sociedade civil, onde está posicionada como Igreja, que pretende “ser uma presença viva e eficaz na luta dos povos”, diz Maritza, que vê isso como resultado do grau de confiança desenvolvido, em uma área de fronteira com a Colômbia, onde o que eles fazem “é levar informações confiáveis ​​para que tenham elementos e também possam se defender”, ajudando-os quando chegam em Lago Agrio, capital da província de Sucumbíos. Junto com isso, eles oferecem oficinas de direitos humanos ao povo “porque quem não conhece seus direitos não pode reivindicá-los”. Portanto, o objetivo é estar atento, procurar formas que ajudem a tornar visível o problema e responder a ele.

ºComo exemplo disso, o povo Cofán de Sinangoe, um dos povos originários que entraram com uma ação contra o Estado equatoriano, contra o Ministério do Meio Ambiente, por causa de 52 concessões de mineração que estavam poluindo o principal rio da província e que os afetaram diretamente. Eles começaram uma luta que foi seguida pela população da cidade, que tomou consciência do perigo comum, e apoiou uma luta que venceram, situação que a Igreja não apoiava muito fortemente. No entanto, o Estado não está assumindo a sentença, pois falta a presença do Defensor do Povo, a única província no Equador onde isso acontece.

A realidade das equipes itinerantes nem sempre foi entendida dentro da Igreja institucional. No caso deles, os bispos das Igrejas de Sucumbíos, Mocoa e Puerto Leguízano aceitaram o projeto juntos, embora não o assumissem como deles. O mesmo acontece na vida religiosa, porque “precisa de loucos na vida religiosa, não muitos, mas vocês estão entre esses loucos”, palavras que ouviram do Secretário da Conferência dos Religiosos do Equador. O mesmo acontece dentro da própria congregação, porque muitas vezes falamos de itinerância, de defesa da Amazônia, mas somos os primeiros que têm medo, fugimos e saímos, e os deixamos sozinhos, povos, territórios completamente isolados”, diz Francesco, que ressalta que “é moda falar sobre o Sínodo hoje, e também precisamos conversar, porque é lógico”.

Por seu lado, Maritza pensa que depende dos bispos, de sua visão pastoral e eclesial, se for de uma estrutura paroquial, porque isso nos leva a perguntar o que acontece com a população mais distante e dispersa, principalmente em locais onde os padres são poucos, pois os bispos cuidam quase exclusivamente das paróquias e dos cuidados sacramentais, e a itinerância geralmente se move para onde a população está dispersa, o acesso é difícil, “mas que para nós é uma fronteira viva e que para nós é preciso acompanhar”, insiste a missionária peruana, porque “é algo que o Evangelho nos chama ”.

A itinerância “nem sempre é uma voz estruturalmente aceita, mas é uma voz escutada”, diz o padre Martinelli, comparando-o com a figura de João Batista e seu relacionamento com Herodes, que o detestava, mas ele gostava de como ele falava. Portanto, “um dos poucos elementos que as equipes itinerantes têm é apenas ser uma voz profética, a voz que grita no deserto e diz aos bispos as coisas como são, sem medo, não têm nada a perder”, diz ele. O missionário, quando alguém pergunta quem ele é, responde: “eu sou um andarilho”. Os bispos precisam saber discernir os carismas, segundo ele, que vê a itinerância como um carisma, mas que não deve ser visto como outra estrutura, algo que poderia ser considerado no Sínodo para a Amazônia.

A itinerância deve ajudar no caminho das dioceses e vicariatos, mas para isso as pessoas devem estar disponíveis para isso. “Os diferentes projetos itinerantes foram mais visíveis, outros menos visíveis, mas sempre vivos”, diz Maritza, que vê o Sínodo como “uma oportunidade de ver isso e que outras pessoas, outras congregações, leigos, leigas, possam dizer eu tinha pensado nisso, mas não sabia onde estava. Ambos insistem na necessidade de sentir apoio entre as diferentes equipes itinerantes e de que as equipes sejam mais laicais, com a população local. De fato, “a experiência é enriquecida quanto mais plural somos”, diz Maritza, que insiste na necessidade de olhares complementares, sempre para ajudar a tornar o Reino de Deus uma presença viva.

Mostre mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *