Artigos e EntrevistasSínodo para a Amazônia

“Fomos vítimas de atos de violência que demonstram uma falta de capacidade para construir novos caminhos”. Comunicado de Amazônia: Casa Comum

Por Luis Miguel Modino

Amazônia: Casa Comum, a iniciativa de várias organizações que estão realizando uma série de eventos que levam a Amazônia a Roma para o Sínodo, emitiu um comunicado afirmando: “Lamentamos profundamente, e por isso denunciamos, que nos últimos dias fomos vítimas de atos de violência, que refletem a intolerância religiosa, o racismo, atitudes vexatórias que, sobretudo, afetam aos povos indígenas e demonstram uma falta de capacidade para construir novos caminhos para a renovação da nossa Igreja.”

Alguns grupos, que se apresentam como guardiões da sã doutrina, se posicionaram contra o Sínodo nos últimos meses, menosprezando a voz que emergiu de um processo de escuta em que milhares de pessoas participaram, que mostraram “suas propostas, suas opiniões sobre como construir uma Igreja com rosto amazônico, uma Igreja que oferece sua essência para a Igreja universal”.

É um ataque a todas as reformas que o Papa Francisco quer introduzir na Igreja, inspiradas no Concílio Vaticano II, que alguns, depois de mais de cinquenta anos, continuam a ver como algo estranho à fé católica que afirmam professar.

No comunicado, Amazônia: Casa Comum, expressa que “presença e iniciativas foram em todo momento realizadas de forma pacífica, sempre em atitude orante e pedindo a ação do Espírito neste processo sinodal”, deixando claro que “não vamos responder a estas atitudes de violência”. Diante disso, lembram-se das palavras do Papa Francisco em sua homilia deste último domingo, “que nosso coração vá muito além das aduanas humanas, muito além dos particularismos fundados em egoísmos que não agradam a Deus”.

    COMUNICADO “AMAZÔNIA: CASA COMUM  

    21 de outubro 2019   

“Isto é, para ser mutuamente confortados pela fé que é comum a vós e a mim”.

(Romanos 1, 12)

O Sínodo, que se celebra este dias em Roma, começou há cerca de dois anos no território amazônico. O processo de escuta, iniciado em Puerto Maldonado, em solo peruano, estendeu-se não apenas no Continente Americano. Muitos católicos e católicas do mundo se colocaram no caminho para acompanhar este processo sinodal.

Milhares de pessoas deram suas vozes, suas propostas, suas opiniões sobre como construir uma Igreja com rosto amazônico, uma Igreja que oferece sua essência para a Igreja universal.

Neste mesmo caminho, nos encontramos agora em Roma acompanhando a Assembleia onde estão cerca de 300 pessoas, padres sinodais, representantes dos povos indígenas e expertos, participando do Sínodo da Amazônia.

A iniciativa “Amazônia: Casa Comum” (apresentada na conferência de imprensa no dia 20 de setembro – sala Marconi – Edifício Vatican News) é um fiel reflexo desta Igreja unida, comprometida e diversa, em que se reúnem mais de 30 instituições católicas de vários países da América do Sul, do Norte e da Europa para acompanhar espiritualmente o Sínodo, compartilhar realidades e visibilizar a experiência da Ecologia Integral, inserida na vida dos povos e nos habitantes da Amazônia. Esta é uma iniciativa onde se misturam muitas vozes, pensamentos, sonhos e testemunhos missionários, pastorais, socioambientais e espirituais para trazer a Amazônia ao coração do Vaticano.

Lamentamos profundamente, e por isso denunciamos, que nos últimos dias fomos vítimas de atos de violência, que refletem a intolerância religiosa, o racismo, atitudes vexatórias que, sobretudo, afetam aos povos indígenas e demonstram uma falta de capacidade para construir novos caminhos para a renovação da nossa Igreja.

Alertamos que estes atos podem se repetir ou subir seu tom, gerando outras situações. Nossa presença e iniciativas foram em todo momento realizadas de forma pacífica, sempre em atitude orante e pedindo a ação do Espírito neste processo sinodal. Não vamos responder a estas atitudes de violência e na fidelidade ao Evangelho reconhecemos e respeitamos a diversidade de outras expressões de encontro com Cristo.

Confiamos que o chamado do Evangelho de Cristo é para que todos, sem exceção, e como membros da Casa Comum, caminhemos para ser uma Igreja unida em nossas diversidades. 

Chamamos a todas as pessoas de boa vontade para que permaneçam unidas e a mantermos o compromisso e esperança pela defesa da vida e da Amazônia.

“Ele não se cansa de repetir: “todos”. Todos, porque ninguém está excluído de seu coração, de sua salvação; todos, para que nosso coração vá muito além das aduanas humanas, muito além dos particularismos fundados em egoísmos que não agradam a Deus.”

Papa Francisco – Homilia 20 de outubro 2019.

Contatos: Rev. Antonio Soffientini e Rvdo. Massimo Ramundo tiendacasacomun2019@gmail.com / Daniela Andrade – Comunicación REPAM / +593998116789

Tags
Mostre mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *