CEBs e EcologiaNotícia

Os Povos indígenas da Amazônia exigem “proteção para as comunidades” contra o Covid-19
Por Luis Miguel Modino

O Covid-19 se tornou um problema mundial, no qual, independentemente da raça e status social, somos todos vítimas em potencial. Esta situação é agravada quando aqueles que são afetados não têm recursos básicos no campo da habitação e da saúde. Essa é uma realidade muito presente na Pan-Amazônia, onde a falta de atenção secular em relação aos povos está novamente se tornando presente, inclusive com governos que não apenas não ajudam, mas agravam a situação.

Nesta situação, em 31 de março, o Coordenador das Organizações Indígenas da Bacia Amazônica (COICA) e suas organizações membros dos nove países da bacia amazônica emitiram uma declaração na qual denunciam que “os povos indígenas enfrentamos uma dupla vulnerabilidade produto não apenas da exclusão e marginalização histórica a que fomos submetidos, mas também como resultado das características e condições geográficas em que sobrevivemos nas terras e territórios ancestrais devido à dificuldade de acesso”.

Isso é agravado, como afirmado na nota, pelo fato de não haver protocolos específicos “para evitar o contágio em populações vulneráveis”, algo incluído nos tratados internacionais desde a Declaração Universal dos Direitos Humanos, em 1948. A nota fala em nomes de 511 povos indígenas e mais de 66 povos em isolamento voluntário e contato inicial, cuidadores ancestrais da floresta amazônica, baseados “em uma relação holística com seu território”.

A atividade extrativista, que continua nos últimos dias, apesar do toque de recolher e estados de exceção, está agravando essa situação, causando, com a ajuda dos Estados, “flagelos sociais e ambientais catastróficos para a sobrevivência dos povos indígenas em nosso território”. De fato, a nota é uma nova denúncia, que repete algo que vem sendo realizado há muitos anos em instâncias nacionais e internacionais.

Diante dessa realidade, a nota faz 14 demandas e demandas, baseadas na “proteção às comunidades indígenas” e no “fortalecimento dos sistemas públicos de saúde”, que ajudam a proteger os mais vulneráveis, algo que se não for tomado realizado será considerado “um ato genocida”. A nota solicita a intervenção do Escritório do Alto Comissariado para os Direitos Humanos e o Relator Especial sobre os Direitos dos Povos Indígenas perante as Nações Unidas e da própria ONU, para que sejam vigilantes. Da mesma forma, eles solicitam “cooperação internacional para fins de solidariedade e humanitários”, que ajudam a “atender às necessidades básicas das comunidades”.

Ao mesmo tempo, eles pedem a participação de organizações dos povos indígenas “para manter as comunidades livres de contágio e seguradas em questões fundamentais como alimentação e saúde integral”, o que inclui permitir atividades auto-sustentáveis, informações e detecção precoce. dos casos da Covid-19 e a chegada de alimentos e suprimentos de higiene pessoal. Também exige o controle nos territórios invadidos por petroleiros, mineiros, madeireiros e pessoas fora dos territórios, sempre visando “que os governos priorizem os direitos à vida digna, saúde, integridade física, consentimento e autodeterminação dos Povos indígenas em atividades extrativistas em seus territórios”.

A situação piora, de acordo com a nota da COICA, porque a crise econômica que deve surgir no futuro “intensificará a extração de recursos naturais em face das dívidas contraídas pelos governos com organizações multinacionais”. Por esse motivo, é necessária a criação de “redes de solidariedade que nos permitam enfrentar esta crise”, finalmente reconhecendo “o trabalho heróico dos trabalhadores da saúde, cientistas, camponeses e todas as pessoas que lutam dia a dia para salvar vidas, fornecer alimentos e encontrar soluções para que o mundo possa sair dessa crise que o aflige”.

Declaração Amazônica diante da Emergência Sanitária e Social Mundial pelo Covid-19

A Coordenação das Organizações Indígenas da Bacia Amazônica (COICA) e suas organizações membros dos nove países da bacia amazônica:

COIAB, Coordenadoria das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira
OPIAC, Organização Nacional dos Povos Indígenas da Amazônia Colombiana
CONFENIAE, Confederação das Nacionalidades da Amazônia Equatoriana
ORPIA, Organização Regional dos Povos Indígenas da Amazônia (Venezuela)
AIDESEP, Associação Interétnica de Desenvolvimento da Selva Peruana
CIDOB, Confederação dos Povos Indígenas do Oriente Boliviano
FOAG, Federação de Organizações Indígenas da Guiana Francesa
APA, Associação dos Povos Ameríndios da Guayana
OIS, Organizações Indígenas do Suriname

Concordam em emitir esta Declaração urgente.

Considerando:

Que o mundo está passando por uma crise e uma emergência de saúde devido às consequências imprevisíveis do COVID-19, que até o momento ceifou a vida de mais de 30.000 pessoas e infectou centenas de milhares em quase todos os países do mundo.

Que os povos indígenas enfrentam uma dupla vulnerabilidade devido não apenas à exclusão e marginalização histórica a que fomos submetidos, mas também como resultado das características e condições geográficas nas quais sobrevivemos em terras e territórios ancestrais devido à dificuldade de acesso. .

Que, diante da emergência, os povos indígenas não possuem protocolos específicos no caso de um de nossos países enfrentar a pandemia, uma vez que os estados não se encarregam de gerar esse tipo de instrumento para prevenir o contágio em populações vulneráveis.
DECLARACIÓN AMAZONICA FRENTE A LA EMERGENCIA SANITARIA Y SOCIAL MUNDIAL POR EL COVID-19 La Coordinadora de las Organizaciones Indígenas de la Cuenca Amazónica (COICA) y sus organizacionollo de la Selva Peruana
CIDOB, Confederación de Pueblos Indígenas del Oriente Boliviano
FOAG, Federación de Organizaciones Autóctonas de Guayana Francesa
APA, Asociación de Pueblos Amerindios de Guayana
OIS, Organizaciones Indígenas de Surinam Acuerdan emitir la presente Declaratoria de carácter urgente.

Que os direitos dos povos indígenas são reconhecidos nos seguintes instrumentos internacionais:

❖ Declaração Universal dos Direitos Humanos das Nações Unidas (adotada pela Assembléia Geral da ONU em dezembro de 1948)
❖ Convenção 169 sobre povos indígenas e tribais em países independentes da Organização Internacional do Trabalho – OIT (adotada em junho de 1989)
❖ Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas (adotada pela Assembléia Geral da ONU em setembro de 2007)
❖ Declaração Americana sobre os Direitos dos Povos Indígenas da OEA (aprovada em junho de 2016)

Que, a COICA é o órgão que representa os povos indígenas dos 9 países da Bacia Amazônica, para a defesa dos direitos e territórios dos 511 Povos Indígenas e mais de 66 Povos em Isolamento Voluntário e Contato Inicial, que sobrevivem em milhares de comunidades ancestrais na Amazônia, em 200 milhões de hectares da floresta tropical mais biodiversa do mundo, com uma diversidade cultural única, baseada em uma relação holística com seu território.

Que os direitos dos povos indígenas da Amazônia continuam a ser sistematicamente violados, não apenas pelas empresas e atividades extrativas legais e ilegais, mas também pelos próprios Estados, responsáveis por proteger a vida e a existência dos povos e seus territórios e atendendo a suas necessidades diferenciadas, eles fazem o contrário implementando políticas extrativistas – como mineração em larga escala, hidrocarbonetos, agronegócio em larga escala e outras – destroem a Amazônia sem valorizar sua riqueza natural e cultural para os próprios países e para todo o planeta; Estados que, por ação ou omissão, geram condições favoráveis à ocorrência de flagelos sociais e ambientais catastróficos para a sobrevivência dos povos indígenas em nosso território. Além disso, e apesar da pandemia, as empresas extrativas continuam trabalhando normalmente em muitos de nossos países, ignorando as decisões dos Estados como estados de emergência e toque de recolher.

Que as violações dos direitos dos povos indígenas e seus territórios amazônicos têm sido constantemente denunciadas pelos líderes da COICA e suas organizações indígenas nacionais em 9 países, para que possam ser conhecidas pelo mundo inteiro; tanto em espaços de incidência internacional, regional e nacional, como em declarações públicas.

Que o direito dos povos indígenas de manter e fortalecer suas próprias culturas, modos de vida e instituições, seu direito de participar efetivamente das decisões que os afetam e outros direitos contemplados nos tratados internacionais, não estão sendo cumpridos efetivamente. Observando, além disso, que os referidos tratados não foram ratificados por todos os países da bacia amazônica, uma vez que a Convenção 169 da OIT não foi ratificada por 3 dos 9 países enquadrados na COICA.

Que a contribuição dos territórios indígenas para a estabilidade climática global foi reconhecida e quantificada cientificamente e que essa contribuição começa com a necessidade de salvaguardar os direitos da comunidade à terra e aos recursos naturais, fundamentais para o manejo sustentável e conservação florestal eficaz.

Que o único sistema e espaço seguro para os Povos Indígenas da Bacia Amazônica diante da crise planetária de saúde e clima são suas comunidades e territórios e os Estados não avançaram no sentido de Titulação, demarcação de terras e territórios.

Por todas essas razões, exigimos e exigimos dos Estados e organizações internacionais de direitos:

1. Exigimos que os governos dos países amazônicos tomem medidas urgentes de proteção para as comunidades indígenas, incluindo campanhas de informação e prevenção em seus próprios idiomas, bem como o fortalecimento dos sistemas públicos de saúde que prestam serviços às comunidades.

2. Exigimos que os governos de cada um de nossos países reconheçam publicamente sua responsabilidade em relação aos povos e nacionalidades indígenas, como populações especialmente vulneráveis à pandemia – como idosos e pessoas com imunidade deprimida – e tomem todas as medidas necessárias, culturalmente apropriadas e eficazes para proteger nossas comunidades e territórios e, no caso de ação ou omissão contrária, solicitamos à comunidade internacional que permaneça em alerta máximo para a possível comissão de um ato genocida.

3. Solicitamos ao Alto Comissariado para os Direitos Humanos e ao Relator Especial sobre os Direitos dos Povos Indígenas junto às Nações Unidas que se pronunciem sobre a negligência histórica que os povos indígenas sofreram em relação ao acesso aos sistemas de saúde pública.

4. Instamos a intervenção da ONU e todas as instâncias precursoras de direitos humanos, bem como a solidariedade de todos os Estados da comunidade internacional, para que permaneçam vigilantes diante de qualquer eventualidade que no contexto da emergência de saúde afete a comunidades indígenas.

5. Solicitamos a ativação da cooperação internacional para fins de solidariedade e humanitária por meio das estruturas orgânicas dos Povos Indígenas, de modo que possa ser prestado atendimento médico oportuno às comunidades afetadas pelo COVID-19 e para atender às necessidades básicas das comunidades.

6. Uma coordenação ágil e eficaz seja estabelecida em coordenação com as organizações dos povos indígenas e as respectivas autoridades de cada país para manter as comunidades livres de contágio e seguradas em questões fundamentais, como alimentação e saúde integral.

7. O acesso aos alimentos seja garantido, protegendo as economias de sobrevivência das comunidades produtoras e assegurando às comunidades o acesso a suas próprias fontes de alimentos, fornecidos através de práticas de pesca, caça e coleta, garantindo que elas não sejam contaminadas ou afetadas por terceiros, incluindo empresas ou aquelas que realizam atividades “legais” e ilegais de mineração, petróleo, hidrelétricas e florestais.

8. A saúde integral seja garantida para os povos e as nacionalidades indígenas, empreendendo ações de prevenção primária culturalmente apropriadas para impedir que o Covid-19 chegue às comunidades e a respectiva prevenção secundária para a detecção precoce de casos, bem como prevenção terciária para reduzir a tanto quanto possível, qualquer chance de mortalidade.

9. Seja prestada a devida assistência aos Povos Indígenas que vivem em suas comunidades com a quantidade necessária de suprimentos para proteção individual, medicamentos sintomáticos, produtos de higiene pessoal e para garantir um fluxo adequado de reposição.

10. Exigimos que os governos intensifiquem as ações de vigilância e proteção de territórios invadidos por empresas de petróleo, mineração, madeireiras e pessoas fora dos territórios, uma vez que empresas e áreas foram identificadas onde as medidas de emergência regulamentadas não estão sendo cumpridas e as atividades extrativas continuam, colocando em alto risco os povos e comunidades assentadas nessas áreas.

11. É obrigatório e necessário que os governos priorizem os direitos à vida digna, saúde, integridade física, consentimento e autodeterminação dos Povos Indígenas em detrimento de atividades extrativas em seus territórios. Da mesma forma, solicitamos que, em relação aos pagamentos das respectivas dívidas externas de cada um dos países, os recursos sejam canalizados para atender à emergência de saúde global.

12. Estaremos vigilantes sobre ações e emergências pós-covid-19 em territórios indígenas, porque haverá mais pressão e ameaças para intensificar a extração de recursos naturais em face das dívidas contraídas por governos com organismos multinacionais.

13. Convidamos todas as pessoas do mundo a estabelecer redes de solidariedade que nos permitam enfrentar esta crise no campo e nas cidades.

14. Reconhecemos o trabalho heróico dos profissionais de saúde, cientistas, camponeses e todas as pessoas que lutam dia a dia para salvar vidas, fornecer alimentos e encontrar soluções para que o mundo possa emergir dessa crise que a aflige.

Para o registro da resolução, na cidade de Quito, em 31 de março de 2020, assinam:

Gregorio Mirabal Coordinador General COICA

Francinara Soares Coordinadora de COIAB (Brasil)

Marlon Vargas Presidente CONFENIAE (Ecuador)

Tomas Candia Presidente CIDOB (Bolivia)

Lizardo Cauper Presidente AIDESEP (Peru)

Julio Cesar López Presidente OPIAC (COLOMBIA) Eligió Da Costa

Thomas Lemmel Presidente APA (Guyana)

Sirito Aloema Presidente OIS (Surinam)

Jean-Philippe Chambrier Presidente FOAG (Guyana Francesa)

Eligio Da Costa Presidente ORPIA (Venezuela)

Tags
Mostre mais

Artigos relacionados