ColunistasNeuza Mafra

Vacina para crianças, sim!

“Quem vai redimir o povo, é a criança, 
acolhida pela comunidade, em clima de festa. 
Criança não é problema. É solução!”.

Dom Luciano Mendes de Almeida

A vacinação em crianças é histórica no Brasil, sendo inclusive a salvação de muitas crianças em epidemias infantis. Embora as narrativas sobre a vacinação no Brasil, para a população em geral, mostrem que houve momentos conturbados, como em 1904, durante um surto de varíola, quando o Congresso aprovou a sugestão do médico sanitarista Oswaldo Cruz, sobre a obrigatoriedade da vacina para toda a população. Isso causou muito incômodo no povo oprimido, já cansado de cumprir tantas “obrigações”. Na época surgiu até um movimento chamado a Revolta da Vacina. Contudo, em 1908, quando houve novo surto da doença, a população, fez um movimento contrário, procurou a vacinação, sem que a mesma precisasse ser indicada por lei.

Nos últimos tempos, mesmo com o esforço e avanço da ciência em fazer a campanha vacinal chegar em todos os lugares, deparamo-nos com doenças que pensávamos erradicadas voltarem novamente ao cenário brasileiro e, em muitas regiões, a procura por vacinas infantis, ser cada vez mais desafiadora. 

Segundo a nossa Constituição Federal de 1988, no artigo 196, “… a saúde é um direito de todos e dever do Estado, que deve ser garantida mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”. Cita ainda a Constituição que ela é de relevância pública, cabendo ao Poder Público dispor, nos termos da lei, sobre sua regulamentação, fiscalização e controle.

Estranho é – em meio a uma pandemia que já tirou a vida de mais de seiscentas mil pessoas no Brasil -, além de considerar que um Plano de Vacinação deveria contemplar as crianças, ao chegar a vez das crianças se vacinarem, cheguem estes questionamentos, vindos de um órgão que deveria ser o primeiro incentivador da vacinação. Obviamente, que a preocupação é mais uma vez, usar os inocentes como “moedas de troca” e neste caso, de trocas de favores políticos, mirados nas eleições de 2022. Mais uma vez, o negacionismo, o desconhecimento científico, o ódio, a vaidade tomam conta. 

É inegável que esta pandemia tenha exposto novamente o dramático tema da infância brasileira, sempre relegada, abandonada, mesmo tendo o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), criado para a sua defesa, através do artigo 227 da Constituição Federal. Mas quem garantia esta defesa? Eram os Conselhos de Direitos desde o âmbito nacional até os municípios, criados em 1991, mas foram estraçalhados pelo Presidente da República em 2019, através de decreto que cassou o mandato de todos os conselheiros, diminuiu a composição da sociedade civil e alterou significativamente sua função. Chegou a dizer durante uma campanha no interior de São Paulo que: “o ECA tem que ser rasgado e jogado na latrina. É um estímulo à vagabundagem e à malandragem infantil”. 

Isso me reportou à história das crianças na Bíblia, onde as mesmas eram sacrificadas e mortas para “apaziguar a ira dos deuses”, em épocas de crises ou guerras (2Rs.16.3; 21.6; 23.10; Jr.7.31, 19.5; 32.35; Ez.16.21). Ou ainda, havia o costume de sacrificar uma criança quando fosse construída uma casa, um templo, uma cidade, enterrando-a debaixo das fundações para atrair a proteção dos deuses, os chamados “sacrifícios de fundação”:

“Era assim que a religião de Canaã procurava a proteção dos deuses para a casa, o palácio, o templo e a cidade. Por isso, a cidade de Jericó foi reconstruída ‘pelo preço’ de duas crianças” (1Rs.16.34) (MESTERS 1997, Criança, Prioridade Absoluta no Reino de Deus). 

Eram tantos os sacrifícios humanos de inocentes que Ezequiel chega a dizer no Oráculo sobre os Montes em Israel: “Tu privas de filhos a tua nação” (Ez 36,13). Assim também estão sendo privadas nossas crianças de uma vida digna e saudável, tudo para agradar os aliados e acalmar os ânimos daqueles aos quais devem favores.

Mas o que as CEBs têm a ver com isso? Tudo! Inclusive o compromisso de reassumir os papéis de Sefra, Fua, Jocabed e Míriam (Ex1,15; 2,1.6) que, na Bíblia enfrentaram e desobedeceram as ordens do Faraó, para reiniciar a luta em defesa da vida ameaçada das crianças. No caso hoje, especificamente, ameaçadas pelo governo federal, nas pessoas do Presidente da República Jair Bolsonaro e do Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. 

Muitos de nós trazemos a marca registrada das vacinas no braço. Vamos garantir que nossas crianças vacinadas recebam, no cartão de vacinação, um documento de vitalidade.

Vacina para crianças, sim!

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo
plugins premium WordPress