Notícias

No Natal Jesus tem lado

No Natal – e em toda a sua vida – Jesus tem lado, o lado dos pobres: os oprimidos, os excluídos, os descartados e todos aqueles e aquelas que – na sociedade – não têm voz e vez. Desde o nascimento até a morte na cruz, Jesus sempre se identificou e solidarizou com os pobres, incluindo a Irmã Mãe Terra Nossa Casa Comum

Ainda no seio de sua mãe Maria, Jesus foi “morador de rua”. Para cumprir o decreto de recenseamento, ordenado pelo imperador Augusto, “José, que era da família e descendência de Davi, subiu da cidade de Nazaré, na Galileia, até à cidade de Davi, chamada Belém, na Judeia, para registrar-se com Maria, sua esposa, que estava grávida” (Lc 2,4-5). Maria – antes de encontrar um estábulo para dar à luz – deve ter perambulado e dormido, com seu esposo José, nas ruas de Belém.

Jesus nasceu como “sem-teto”. Enquanto Maria e José estavam em Belém, “completaram-se os dias para o parto. Ela deu à luz seu filho primogênito. Envolveu-o em panos e o deitou numa manjedoura, porque não havia lugar para eles dentro da casa” (Ib. 2,6-7).

Jesus anunciou a Boa Notícia do seu nascimento aos “sem-terra”, os pastores de ovelhas da época, malvistos e desprezados pelos poderosos, porque ocupavam os campos com seus rebanhos. O mensageiro de Deus disse aos pastores: “Não tenhais medo! Porque eis que lhes anuncio a Boa Notícia, uma grande alegria para todo o povo: hoje, na cidade de Davi, nasceu para vocês um Salvador, que é o Messias e Senhor” (Ib. 2,10-11).

Jesus – ainda criança – foi “migrante e refugiado” no Egito por causa da ganância de Herodes que queria matá-lo. O mensageiro de Deus falou em sonho a José: “Levante-se, pegue o menino e a mãe dele, e fuja para o Egito. Fique aí até que eu lhe avise, porque Herodes vai procurar o menino para matá-lo. Ele se levantou, e de noite pegou o menino e a mãe dele, e foi para o Egito. E aí ficou até a morte de Herodes” (Mt. 2,13-15).

Em sua vida anônima Jesus foi trabalhador. Foi carpinteiro com seu pai José. A respeito de Jesus, as pessoas diziam: “De onde vêm essa sabedoria e esses milagres? Esse homem não é o filho do carpinteiro?” (Ib. 13,54-55). “Esse homem não é o carpinteiro?” (Mc 6,3).

Em sua vida pública – anunciando a Boa Notícia do Reino de Deus – Jesus foi sempre próximo e entranhadamente solidário com os pobres. Entre os muitos exemplos que poderíamos lembrar, cito o do homem com a mão direita seca. “Jesus disse ao homem: ‘Levante-se e fique no meio’. ‘Estenda a mão’. O homem assim o fez e sua mão ficou boa” (Lc 6,8.10).

Jesus, cheio de indignação, denunciou a hipocrisia dos fariseus e doutores da Lei. “Ai de vocês, doutores da Lei e fariseus hipócritas! Vocês são como sepulcros caiados: por fora parecem bonitos, mas por dentro estão cheios de ossos de mortos e podridão! Assim também vocês: por fora parecem justos diante dos outros, mas por dentro estão cheios de hipocrisia e injustiça” (Mt 23,27-28).

Jesus celebrou a última Ceia com os discípulos e lavou seus pés. “Tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim (Jo 13,1). “Não existe amor maior do que dar a vida pelos amigos” (Jo 15,13).

Jesus foi preso e acusado de “subverter” o povo. “Achamos este homem fazendo subversão entre o nosso povo” (Lc 23,2). Em seguida, foi morto na cruz como criminoso. “Jesus deu um forte grito: ‘Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito’. Dizendo isso, espirou” (Ib. 23,46).

Jesus – o Libertador, o Salvador, o Filho de Deus – ressuscitou dos mortos. Às mulheres, angustiadas por não ter encontrado o corpo de Jesus no túmulo, os mensageiros de Deus disseram: “Por que vocês estão procurando entre os mortos aquele que está vivo? Ele não está aqui! Ressuscitou!’” (Ib. 24,5-6).

Jesus Ressuscitado enviou o Espírito Santo aos discípulos e discípulas. “Ele lhes disse: ‘A paz esteja com vocês. Assim como o Pai me enviou, eu também envio vocês’. Tendo falado isso, soprou sobre eles e elas, dizendo: ‘Recebam o Espírito Santo’” (Jo 20,21-22).

Jesus Ressuscitado continua vivo na Comunidade dos seus seguidores e seguidoras. “Onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, eu estou aí no meio deles” (Mt 18,20). “Eu estarei com vocês todos os dias, até o fim dos tempos” (Ib. 28,20).

Perguntamo-nos:

  • Onde vai ser o Natal de Jesus, hoje? Com certeza, ele não vai ser nos palácios dos poderosos – opressores do povo – e nem nas Igrejas luxuosas e cheias de ouro. O Natal de Jesus vai ser nos Grupos de Moradores em situação de Rua, nas Ocupações urbanas e rurais, nas Comunidades Eclesiais de Base (CEBs), nos Movimentos Sociais Populares, nos Sindicatos de Trabalhadores e Trabalhadoras e nos Partidos Políticos Populares, que – com garra, coragem e muita fé – lutam pela Vida: Vida digna para todos e para todas. “Eu vim para que tenham Vida e a tenham em abundância” (Jo 10,10).
  • E nós, que como seguidores e seguidoras de Jesus fazemos a memória – tornamos presente – o seu Natal hoje, temos lado? Qual é o nosso lado? É o lado de Jesus? É o lado dos pobres?
  • Vivamos o Natal de Jesus!
download

(Frei Marcos Sassatelli, OP – Natal 2021) 
Moradores de Rua de Campos: presépio debaixo da “Ponte Rosinha”
noticiaurbana.com.br   

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo
plugins premium WordPress